sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Fazendo arte:

História: Vera Lúcia - a boneca perfeita -

História Educativa sobre dar o melhor para Jesus

(1) Vera Lúcia era uma boneca de pano lindíssima. Antigamente as meninas gostavam muito de brincar com bonecas de pano. A dona de Vera Lúcia se chamava Rosa Maria. Os pais de Rosa Maria eram missionários e moravam na China, um país muito longe daqui. O pai de Rosa Maria era pastor, e estava sempre disposto a falar de Jesus, não importava o lugar ou a distância.

(2) Rosa Maria era uma menina muito bonita e delicada, que amava demais sua boneca Vera Lúcia. Onde ia, levava Vera Lúcia com ela. Brincava, passeava, e até dormia com sua amiguinha inseparável.

A primeira coisa que Rosa Maria fazia pela manhã era abraçar Vera Lúcia. Ela gostava porque Vera Lúcia era muito macia, toda recheada de algodão, e, como era do tamanho de um bebê recém-nascido, usava todas as roupas de Rosa Maria quando era bebê.

Os pais de Rosa Maria viajavam muito. Eles já haviam morado no Japão, Alemanha, Rússia, França e Canadá. Já pensou se Vera Lúcia falasse, o que não teria para contar de tantos lugares?

(3) Bem próximo da casa de Rosa Maria, havia um orfanato de meninas chinesas. Elas nunca haviam possuído um lar de verdade, até que pessoas bondosas e que amavam muito a Jesus, levaram-nas para aquele grande lar.

Algumas das meninas vinham de bairros bastante pobres e outras haviam sido vendidas pelos próprios pais.

O natal estava chegando e todos os anos, na manhã do dia de natal, os pais de Rosa Maria levavam-na para visitar essas pobres meninas do orfanato.

Durante o ano, Rosa Maria costumava juntar dinheiro e brinquedos dela e dos amigos para colocar aos pés da árvore de natal para aquelas meninas.

Naquele ano, cada menina receberia um vestido, um sabonete e um brinqeudo. Para conseguir essa proeza, foi necessário muito trabalho, principalmente da mãe de Rosa Maria.

Cada noite Rosa Maria, no final de sua oração, dizia: “Querido Jesus, faça com que haja brinquedos suficientes para cada menina do orfanato”.

(4) Certa noite, após Rosa Maria terminar sua oração e se deitar, sua mãe lhe disse:

– Filha, o que você vai colocar na árvore de natal este ano?

– Mamãe – respondeu Rosa Maria – eu tenho minhas economias que poupei durante o ano todo, mas é meu o dinheiro e com ele quero comprar um lindo presente para a senhora e outro para o papai.

– Mas, Rosa Maria – continuou a mãe, amorosamente – você tem tantos brinquedos, por que não dá a mais bela boneca da sua coleção?

Rosa Maria não era uma menina egoísta, mas ela amava muito sua companheira predileta – Vera Lúcia.

Ao mesmo tempo lembrava que Deus deseja que sejamos desprendidos e esse verso veio à sua mente: “De graça recebeste, de graça dai” (Mateus 10:8). Ela hesitou um pouco e em seguida disse:

– Sim, acho que posso, mas tenho que dar minha melhor boneca?

– Isto é com você – disse a mãe – mas não se esqueça do que Jesus disse: “O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram” (Mateus 25:40). Você compreende isso, não é Rosa Maria?

– Sim, mamãe.

Naquela noite Rosa Maria não dormiu imediatamente como de costume. Depois de muito pensar, chamou a mãe.

Aos ouvidos da mãe, a filha disse que era impossível dar Vera Lúcia:

– Não posso! Não posso! Todas menos essa! Eu tenho a Miranda, que é uma boneca linda, com cabelo de verdade, tenho outras para escolher, mas a Vera Lúcia não quero dar, por favor!

A mãe, vendo a agonia da filha, respondeu:

– Minha querida, dê o que você quiser. O presente será seu, não meu. Mas não se esqueça que Deus deu Seu único Filho para nos dar a oportunidade de salvação. Ele era rico e se fez pobre por nós e o preço de nossa salvação foi pago com sangue, Seu próprio sangue.

A mãe beijou-a e saiu, sabendo que sua filha nunca havia amado Miranda, embora fosse uma linda boneca.

Durante três ou quatro dias, Rosa Maria ficou bastante pensativa. Aproximava-se cada vez mais rápido o dia de natal, data em que ela devia tomar sua decisão.

(5) Uma noite, quando Rosa Maria terminou sua oração, sua mãe ouviu-a repetindo essas palavras: “Por favor, querido Jesus, ajuda-me a fazer esse sacrifício”.

No outro dia, ao levantar bem cedo, orou novamente, agradecendo pelo repouso tranqüilo e logo procurou pela sua mãe, com Vera Lúcia nos braços.

– Mamãe, tome. Quero dá-la para Jesus.

A mãe ficou até com pena por aquela atitude bonita da filha e confirmou com ela se não seria Miranda que ela queria dar.

– Não – disse Rosa Maria – porque não é Miranda que eu amo e Deus amava a Jesus quando Ele O enviou ao mundo. Eu quero mesmo dar Vera Lúcia, que eu amo de verdade.

– Está bem – disse a mãe – se é essa sua decisão então vamos dar uma arrumada em Vera Lúcia. Vamos pentear seus cabelos, trocar a roupa e colocar uma fita nova no cabelo.

Depois disso tudo, o pai de Rosa Maria, com tinta e um pincel fino, deu um retoque nos olhos e na boca. Oh! Como Vera Lúcia ficou linda, ainda mais do que antes!

(6) Enfim chegou a manhã de natal. Rosa Maria se arrumou toda e foi com seus pais para o orfanato. O pátio estava todo decorado e bem no centro estava uma linda árvore de natal, com muitas bolas brilhantes e coloridas, fitas, caixas de presentes e para a alegria de Rosa Maria, em um dos galhos, estava Vera Lúcia, com ares de grande importância.

Uma das meninas tinha chegado no orfanato exatamente um dia antes. Era muito pálida, magra e o seu corpinho estava coberto de manchas, por ter sido espancada pelas pessoas com as quais morava.

Os professores e as outras crianças tentaram fazê-la sorrir mas não conseguiram. A menina achava impossível alguém poder amá-la.

Em seguida os professores iniciaram a distribuição dos presentes e Rosa Maria ajudava. Quando a professora pegou Vera Lúcia para entregar, Rosa Maria abraçou-a fortemente e olhando para a professora disse:

– Esta boneca é para aquela menina ali no canto.

A menina nunca havia possuído um brinquedo antes, muito menos uma boneca como aquela.

A professora tomou a mão de Rosa Maria e juntas foram até onde se encontrava a menina novata.

(7) A chinesinha ficou amedrontada, mas Rosa Maria colocou a linda Vera Lúcia em seus braços. Até parecia que a boneca sorria para aquela triste menina órfã. De repente ela entendeu que ninguém queria magoá-la. Ela deu um gostoso abraço em Vera Lúcia e sorriu pela primeira vez. Com isso Rosa Maria ficou super feliz.

Naquela noite, quando Rosa Maria foi dormir, sentiu como se faltasse uma parte do seu corpo, pois Vera Lúcia não estava mais com ela. Então, de repente, ela olhou para Miranda, abraçou-a e disse:

– Oh! Jesus querido, eu cumpri, eu cumpri! Eu fiz exatamente como Deus fez!

(8) Rosa Maria adormeceu mais feliz do que todas as outras noites, porque tinha dado o melhor e mais querido de si para Jesus.

Que triste teria sido para Rosa Maria se a chinesinha tivesse recusado o presente que com tanto sacrifício e amor ela oferecia!

Como Deus deve ficar triste também quando tantas pessoas recusam aceitar o Seu presente maravilhoso, o Seu próprio Filho, o Senhor Jesus.

E você, também não quer aceitá-Lo agora como Salvador da sua vida?

bumps2 bumps4 bumps5bumps6 bumps7 bumps8 bumps9 bumps10 bumps11 bumps12 bumps13 bumps14

A formação do caráter cristão na educação infantil:

A Formação do Caráter cristão na Educação infantil.
Prof. Joany Bentes

Como educadores cristão, não podemos de forma alguma descurar da responsabilidade em preparar nossas crianças a viverem num mundo globalizado, cuja ênfase é a busca por mais conhecimento. Nossa missão, apesar de difícil, tem de ser integralmente cumprida, a fim de que nossos filhos destaquem-se como testemunhas de nosso Senhor Jesus.

Para chegarem à estatura de "varão perfeito" Ef 4:13, os pequenos dependem da orientação correta, embasada na Bíblia Sagrada, pois é na infância que se dá a formação do caráter.

Então surge a pergunta: O que é caráter?
Existem centenas de definições para caráter, mas após muitas pesquisas podemos concluir que caráter é a capacidade de ação e reação mediante fatos sejam estes bons ou maus. São traços da natureza humana que podem ser alterados e que se constituem a partir das relações familiares, ambientais, pedagógicas e sociais.

É imprescindível que pais e professores da EBD estejam cientes de seus papeis como educadores e influenciadores do caráter de seus filhos, para isso Salomão aconselha: "Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, quando envelhecer não se desviara dele" (Pv.22.6). Qualidades que contribuem para formação do caráter:

Humildade - "Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens. E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz". Filipenses 2:7;8

Mansidão – "Que a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas modestos, mostrando toda a mansidão para com todos os homens". Tito 3:2

Longanimidade – "O Senhor é longânimo e grande em misericórdia, que perdoa a iniqüidade e a transgressão, ainda que não inocenta o culpado, e visita a iniqüidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta gerações". Números 14.18.

Pode-se citar também os frutos do espírito, que se observados contribuíram na formação do caráter da criança.

Foi assim com o menino Jesus, ele "...crescia em sabedoria estatura e graça diante de Deus e dos homens" (Lc. 2 . 52)Desde o primeiro momento da vida o ser humano começa a aprender. Quando a criança é pequena (dois a três anos) ela aprende a escolher entre o que é bom e que não é. Nessa idade se desenvolve a parte moral do caráter. Também aprende auto-controle, auto-segurança e desenvolve a coragem.

Atenção dobrada as crianças de 0 a 6 anos, período em que incide a educação infantil, o desenvolvimento emocional, cognitivo e o crescimento sensório-motor da criança estão em ampliação e os infantes carecem de uma atenção maior na sua orientação educativa.

É importante que professor e aluno tenham um bom relacionamento e para isso o professor precisa ter uma postura que compreenda.

a) Saber ouvir os membros do grupo;
b) Facilitar a integração do grupo;
c) Não ser intransigente ou repressor;
d) Estabelecer limites para o grupo;
e) Não marginalizar ou rejeitar alguém do grupo;
f) Agir de acordo com suas palavras;
g) Não usar o grupo para seus interesses pessoais;
h) Evitar descarregar os seus problemas no grupo;
i) Ser sincero com o grupo.

A eficácia do aprendizado depende do professor que deve conservar em mente as qualidades indispensáveis a um bom professor, sem as quais nem métodos criativos, recursos pedagógicos ou didáticos terão qualquer efeito, são eles:
a) Ter Cristo como salvador: e senhor da sua vida;
b) Ter liderança;
c) Ter amor e interesse pelas crianças;
d) Ser organizado;
e) Cuidar de sua aparência pessoal;
f) Praticar o que ensina;
g) Pensar nos mínimos detalhes;
h) Não desanimar diante de opiniões de pessoas que fazem oposição ao seu trabalho.

Importante:
O professor da EBD tem que tomar uma postura ,frente as investidas do mundo através das mídias de comunicação,pois as nossas crianças são invadidas e violentadas diariamente com pornografia audiovisual, além de outros conteúdos que deturpam os valores morais que alicerçam a fé cristã. A formação do caráter cristão vai além das limitações humanas, está ligada à ação do Espírito Santo na vida das crianças, fato que só será possível se a criança for estimulada a confiar em Deus.

A fé das crianças e a Escola Bíblica DominicalO professor da EBD, que trabalha com os pequenos, precisa estar ciente do seu compromisso e deve ter como objetivo principal "a fé das crianças" LEFEVER, M. (2003).

As crianças precisam aprender a falar com Deus, amar ao próximo, amar a Deus, e obedecer a sua palavra. Tais ensinamentos devem ser transmitidos na EBD.

Observa o desenvolvimento da fé das crianças por fases:
A FÉ DO BEBÊ
Conceito-chave: Confiança
Relacionamentos significantes: Mãe e Pai.
Para uma criança desta faixa etária, somos as mãos e o rosto de Jesus.I

I – A FÉ DAS CRIANÇAS DE 1 A 3 ANOS
Conceito-chave: Autonomia
Relacionamentos significantes: Pais e professores da Escola Dominical.
Tais crianças:
• Aprendem através de encenações de histórias bíblicas.
• São capazes de aprender que Deus criou todas as coisas.
• Compreendem que a Bíblia é um livro maravilhoso, cheio de histórias especiais; é o Livro de Deus.
• Aprendem sobre Jesus enquanto se movimentam. Aprendizes tátil-cinestésicos.
• Aprendem a orar.

III – A FÉ DAS CRIANÇAS DE 3 E 4 ANOS
Conceito-chave: Amor e Iniciativa
Relacionamentos significantes: Professores da Escola Dominical, pastor, família
Tais crianças:• Gostam de frequentar "a própria igreja" (Escola Dominical).
• Aprendem a orar.
• Gostam de recontar histórias sobre Jesus.
• Aprendem a fazer mímicas de histórias bíblicas e de atitudes de Jesus.
• Interessam-se por Deus.
• Confundem Jesus e Deus.
• Desenvolvem uma consciência sensível.
• Perguntam sobre Jesus mais para interagirem com os professores do que para ouvirem respostas.
• Desenvolvem conhecimentos bíblicos.
• Permanecem apredendo a respeito de Jesus enquanto se movimentam.
• Desenvolvem bons hábitos da vida cristã.
• Aceitam Jesus como Salvador pessoal.

IV – A FÉ DAS CRIANÇAS DE 5 E 6 ANOS
Conceito-chave: Amor e Diligência
Relacionamentos significantes: Vizinhança, escola e igreja.
Tais crianças:
• Podem compreender o conceito de Deus como Criador.
• Costumam fazer perguntas.
• Temem a Deus porque Ele vê tudo que fazem.
• Desenvolvem o conceito de Deus e Jesus como pessoas reais
Identificam os personagens da Bíblia como reais.
• Consideram a oração importante.
• Orgulham-se da capacidade de ler em sua própria Bíblia.
• Começam a compreender a "Adoração".
• Podem envolver-se em projetos simples, como "ajudar".
• 40% passam da aprendizagem bíblica tátil-cinestésica para a leitura visual (palavras e imagens).

V – A FÉ DAS CRIANÇAS DE 7 E 8 ANOS
Conceito-chave: Aprender a amar.
Tais crianças:
• Estão esclarecidas quantos aos conceitos de certo e errado.
• Desejam ser boas.
• Começam a perceber a influência da consciência e os erros dos outros.
• São capazes de sentir vergonha, podem admitir seus erros, mas frequentemente transferem a culpa de seus erros para "outros".
• Têm seu interesse por Deus aumentado gradativamente.
• Estão amadurecendo os conceitos acerca da morte e da ressurreição de Jesus.
• São capazes de estudar a Bíblia sozinhos.
• Usam de modo coerente o conteúdo das Escrituras e o que ouvem na Igreja.
• Já possuem um desenvolvimento significativo na área do pensamente simbólico.
• Estão ampliando sua visão de mundo.

VI – A FÉ DAS CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS
Conceito-chave: Justiça
Relacionamentos significantes: Grupos de mesmo nível, igreja e modelos de lideranças seculares.
Tais crianças:
• Correspondem ao ensino sobre o caráter de Deus.
• Aprendem mais facilmente a respeito da vida cristã por intermédio de projetos do que por exposição.
• Começam a constatar que devem seguir suas próprias convicções acerca de Jesus.
• Propõe perguntas mais difíceis do que as dos adultos.
• São capazes de compreender o plano da salvação.
• Compreendem o propósito da oração.
• Desenham heróis da Bíblia e da igreja local.
• Possuem uma necessidade de pertencer ao grupo.
• Personalizam sua sexualidade a partir de uma perspectiva cristã.
• Adquirem uma compreensão básica da ética bíblica.
• São capazes de julgar suas póprias ações à luz das atitudes de Jesus.
• Frequentemente fazem confusão entre o certo e o errado.

VII – A FÉ DOS ADOLESCENTES
Conceito-chave: FidelidadeA maioria das pessoas que consolida sua fé até os 12 anos permanece fiel pelo resto de sua vida.

Conclusão
É inegável que a criança que tem uma fé alicerçada em Cristo terá seu caráter formado dentro dos padrões espirituais e nesse sentido a EBD é em todos os aspectos um centro de influência positiva.

O professor da EBD deve buscar em Deus e na sua palavra a sabedoria necessária para conduzir os pequenos ao principal objetivo da vida cristã, "o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo;

Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo" Efésios 4:12,13.

REFERÊNCIAS BÍBLIA SAGRADA.
Tradução de João Ferreira de Almeida. Versão corrigida.LEFEVER,M.Métodos Criativos de ensino: como ser um professor eficaz.Rio de Janeiro:CPAD,2003

Escola dominical: Espaço de Afetividade

POR Zélia Santos Constantino

A afetividade pode ser entendida como o conjunto de fenômenos psíquicos que se manifestam sob a forma de emoções, sentimentos e paixões, acompanhados da impressão de dor ou prazer, tristeza ou alegria, satisfação ou insatisfação. Os fatos, as situações vividas pelas pessoas causam-lhes sentimentos diferentes. O tipo e a intensidade das reações serão proporcionais ao significado que os fatos têm para cada uma delas.

O que dá valor e representa nossa realidade é a afetividade. Uma foto, por exemplo, pode causar ternura, lembranças positivas ou negativas como a tristeza, raiva ou desilusão.

A afetividade é responsável por valorizar tudo em nossa vida e fora de nós, tanto os fatos passados como as perspectivas futuras. Como ela dá significado à nossa vida e valor de nós mesmos, é preciso tratá-la como o sentimento que regula a visão que temos do mundo. É como os óculos que necessitam ser ajustados de vez em quando. Ela é como o alicerce da vida humana do qual depende a atuação das pessoas como seres sociais, garantindo-lhes força, expressão, vitalidade, motivação.

Fatores de afetividade

São importantes fatores de afetividade a visão, a audição, o tato.

A visão é responsável por 80% da percepção que temos das pessoas. Através dela são observadas as expressões faciais, a maneira de andar, vestir, sorrir, o olhar de aprovação dos outros, as verdades, mentiras, a pressa, a calma, o nervosismo e outras atitudes.

A audição é o segundo fator de percepção da afetividade. Através dela acontece a comunicação com a pessoa a quem ouvimos por meio do timbre, da intensidade e da velocidade da voz.

O tato é relevante em toda existência humana e é muito importante na infância. A criança pode não entender o quê ouve ou o quê vê, mas com certeza perceberá quando é tocada com carinho, abraçada, acolhida. Em casos extremos, chama a atenção dos adultos de forma negativa como a “birra” para receber um toque nem que for uma palmada.

O problema da carência afetiva é acentuado na adolescência. Nesta fase o jovem precisa ouvir e sentir, a todo instante, sobre o seu valor, o quanto é querido, o que representa para a família. Ele está procurando a afirmação de sua identidade e crê que só a terá através dos outros. Busca ansiosamente identificar-se com alguém a quem admira, e questiona, revolta-se, critica, luta por seu próprio espaço e com seu próprio corpo. Sua vontade por encontrar um exemplo de herói, faz desta fase, uma oportunidade inigualável para ter em Jesus Cristo o modelo maior de sua vida. Aparentemente desprezando-a, a afetividade é fundamental para seu amadurecimento sadio.

Enquanto na adolescência o que predomina o psiquismo humano é o sentimento, na juventude está presente o pensamento. É a fase do desenvolvimento cognitivo, da inteligência abstrata, do senso de responsabilidade, caráter, dignidade, julgamento e decisões. Acentua-se o desejo de participar da sociedade e os jovens são capazes de realizações altruísticas e filantrópicas. Já conseguem relacionar-se bem com o sexo oposto e percebem suas limitações com naturalidade.

O adulto torna-se um ser completo quando sente que é cercado por afetividade. Sentir-se amado, aceito, respeitado é ter razão de realização, sacrifícios e, às vezes, até a anulação de sonhos próprios.

Na idade da sabedoria ou velhice, as pessoas voltam a ter intensa necessidade de amostras de afetividade. Mesmo quando se sabem amadas, querem ver, ouvir e sentir das pessoas que lhes são queridas o quanto são importantes para elas. Está presente nesta fase a carência afetiva resultante da fragilidade própria da idade, de doenças, das perdas e do sentimento de inutilidade. Saciar tal carência é um desafio a ser tratado com cuidado, justiça e equilíbrio.

O maior fator de afetividade, porém, para os cristãos, é a oração. Ela se apóia sobre uma tríade de relacionamentos afetivos: de nós para Deus, de Deus para nós e de nós para os outros.

Através da oração nossa afetividade a Deus é expressa na adoração, confissão, pela entrega de nossos fardos e na fé. É a certeza da pertença: somos seus filhos e filhas. Deus acolhe nossas orações, responde-as e revela seu amor. Nossas orações pelos outros e pelo mundo desencadeiam acontecimentos nos céus e na terra: “Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam” (1 Co 2.9).

Conhecer-se e aprender

Para enfrentar adequadamente as relações e os conflitos interpessoais do cotidiano, com os sentimentos, pensamentos e emoções que lhes são inerentes, é exigido de nós auto-conhecimento e aprendizagem constante.

Os conflitos, quando tratados construtivamente, podem trazer resultados positivos, melhorando o desempenho, o raciocínio e a resolução de problemas. É benéfico tratar os sentimentos, valores e emoções como objeto de conhecimento, pois o fato de reconhecer, controlar e expressar os próprios sentimentos talvez seja um dos aspectos mais difíceis na resolução de conflitos.

Princípios da pedagogia afetiva

A pedagogia afetiva apóia-se em alguns princípios que devem ser observados com as devidas adequações:

  1. O limite – estabelecer limites significa que as pessoas não podem nem são capazes de fazer tudo o que querem. Não é castigo e sim, afirmação de cuidado, interesse e proteção. A falta de limites é traduzida como falta de amor. Exemplo de desabafo de um filho a quem não é dado limites: - Meus pais não ligam nem um pouco para o que eu faço ou o que pode me acontecer!
  2. A observância de horários que ensina a responsabilidade, e das datas comemorativas que valorizam as reuniões familiares e os laços afetivos;
  3. O respeito às regras e costumes básicos de convivência social;
  4. A desmistificação de tabus que causam sofrimentos e confusões;
  5. A redescoberta do valor das histórias ou mitos que lendários ou não, explicam ou ilustram os principais acontecimentos da vida como os da perda, morte, abandono, traição, maldade, inveja, justiça, amor e outros.
  6. O reconhecimento de que apesar de todo o desenvolvimento social, científico e tecnológico, apesar das mudanças nas estruturas familiares, os pais não estão desobrigados de suas funções. A eles é concedido o privilégio de conversar, dar segurança, firmeza, equilíbrio, amor e a transmissão da fé aos seus filhos e filhas. Abdicar desta responsabilidade é colocar em risco o futuro de vidas preciosas para Deus!

O papel da afetividade no aprendizado

A importância da Escola Dominical como espaço de afetividade baseia-se no fato de que aprender deve estar ligado ao ato afetivo. O aprendizado será prazeroso e as pessoas ansiarão por conhecer a Palavra de Deus, praticá-la e serem testemunhas.

A relevância do papel da afetividade no aprendizado é demonstrada a cada instante por Jesus Cristo, o Mestre por excelência. Ele olhava para além do exterior das pessoas. Via-as de maneira a perceber o seu íntimo: as tristezas, ansiedade, sofrimentos, vaidade, injustiças, raiva e outros tantos sentimentos aparentemente ocultos, mas reconhecidos por Jesus. Era disponível para ouvir, curar, consolar, argumentar e, principalmente, ensinar. A afetividade norteava suas ações educativas e servem de exemplo para professores de todos os tempos:

  • Valorizava cada ser humano como se ele fosse único na terra;
  • Esperava o momento oportuno para ensinar;
  • Ouvia atentamente os pedidos, as argumentações e até as injúrias;
  • Falava a linguagem que as pessoas podiam entender;
  • Variava o método de ensino conforme a ocasião e o tipo de público;
  • Exemplificava seus ensinos com técnicas inovadoras e criativas;
  • Seus ensinos não se limitavam a espaços restritos e eram ilustrados com as coisas da natureza ou que tinham relação com o dia a dia de seus ouvintes;
  • Apreciava estar junto de seus discípulos e sabia aproveitar todas as oportunidades para a capacitação;
  • Tocava afetuosamente mesmo nos doentes, e se deixava tocar, ser atendido e reconhecido;
  • Era sincero, autêntico, corajoso e não se intimidava ao denunciar o pecado, as injustiças e falsidades dos poderosos;
  • Conhecia e vivia o que ensinava.

O aprendizado flui naturalmente quando a afetividade está presente. Há confiança, sinceridade e a certeza de aceitação entre o educador/a e o aluno/a. Ensinar e aprender torna-se mão dupla, ação gratificante, produtiva e desejada.

É necessário perceber algo precioso deixado por Jesus: Ele aproveitava as situações de vida das pessoas para traduzir a vontade de Deus nas mais variadas circunstâncias. Por exemplo: quando considerou o desapego da viúva pobre que ofereceu “todo o seu sustento” em contraste com as sobras grandiosas dos outros. A lição? O valor da dádiva independe da sua extensão. A preciosidade da mesma residia no coração daquela mulher. A percepção do fato valeu mais que muitas aulas desvinculadas da realidade.

A Escola Dominical como espaço de acolhimento e suporte para as pessoas.

Na Escola Dominical são estabelecidos momentos de partilhar a complexidade da vida, valorizar o companheirismo, aprofundar vínculos afetivos e aprender a colocar os ensinamentos bíblicos dentro das mais variadas situações. Aprende-se melhor quando isto ocorre junto com pessoas com as quais se tem simpatia e algo em comum. As dúvidas, experiências e problemas são compartilhados em ambiente de aceitação e cumplicidade.

A Escola Dominical torna-se espaço de suporte na medida em que são colocadas situações comuns aos vários grupos de estudos e podem ser analisadas e submetidas a sugestões para serem resolvidas à luz do Evangelho. Exemplos:

- Em meio a tanta correria, como “Buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça”, tendo a oração como referência norteadora de nossas vidas?

- Como agir em caso de uma traição?

- O que fazer para obedecer ao “Não adulterarás” da lei de Deus se você está apaixonado por alguém casado/a e que também quer o relacionamento?

- O que aconselhar a alguém com problemas familiares causados pela separação dos pais? E do alcoolismo? E das drogas?

- Violência, corrupção, desagregamento familiar, apelo ao consumismo, interferência dos meios de comunicação na educação alterando as escalas de valores éticos e morais: como manter a identidade cristã em meio a tudo isso? Como motivar a juventude a participar da missão com tantos fatores negativos e desmotivadores?

- Como ensinar a criança “no caminho que deve andar” se não se está preparado/a para fazê-lo?

A Escola Dominical capacita ao exercer a afetividade:

A Escola Dominical é também espaço de capacitação quando:

· Acolhe, demonstra aceitação e valoriza os dons de cada pessoa;

· Oportuniza a troca de idéias e de experiências vividas, e cujas soluções conduziram à vida;

· Proporciona o enriquecimento do conhecimento bíblico e sua aplicação;

· Incentiva outras pessoas a conduzirem os estudos, dando-lhes apoio e assessoramento;

· Desperta o interesse para a participação em algum dos ministérios da Igreja e oferece acompanhamento e auxílio:

· Estimula o testemunho e a vida coerente como “cartas de Cristo” que somos e que estão sendo lidas a cada instante (2 Co 3.2-3).

Compreender a importância da Escola Dominical e empenhar-se para que ela ocupe lugar de destaque e seja amada por toda a Igreja Metodista, são desafios a serem perseguidos se quisermos que nossas crianças, juventude e novos convertidos tenham raízes na fé que lhes foi oferecida e aceita. Pertencer à Escola Dominical é ser e participar do Reino de Deus!

Qual a melhor escola para seu filho?

A educação é o grande legado que os pais deixam para os seus filhos. Foi o que disse, com grande perspicácia, a autora dos sublimes Poemas dos Becos de Goiás, Cora Coralina, numa frase inspirada: Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Disse isto, segundo Olympia Salete Rodrigues, uma de suas biógrafas, quando tinha já o rosto enrugado, o corpo alquebrado e maltratado pela vida, mas tinha a alma lisa e pura. Com essa longa experiência, Cora sabia, ao conceber essa frase, que a primeira etapa da educação se dá em casa, e não importa a idade de quem assume a tarefa de educar. E é em casa que os filhos começam a absorver as virtudes e os vícios dos pais ou avós. Porque, mais do que as palavras, as atitudes calam alto na história das crianças.
Depois vem a escola. E nesse momento surgem numerosas dúvidas para que se consiga escolher a melhor escola. Alguns pais não se interessam tanto e relegam essa tarefa para terceiros. Outros até exageram, perguntando a todo tipo de especialista ou a qualquer outra pessoa, em que escola devem matricular os seus filhos.
Hoje, é comum a mídia oferecer, com base em alguma pesquisa ou avaliação, um ranking com as melhores e as piores escolas. Não acho que esse seja um critério interessante para se basear no momento da escolha, até porque esses critérios são muitas vezes duvidosos e nem sempre conseguem mostrar o que é uma escola de qualidade.

Há alguns aspectos, entretanto que podem ser observados e que ajudam na escolha:
1 - Os pais devem visitar a escola com os filhos e perceberem o seu ambiente. É fundamental que a criança goste da escola em que estuda.
2- O aspecto físico é importante. Salas de aula agradáveis, biblioteca, espaço de cultura, lazer, esporte. Não é necessário que o prédio seja luxuoso, mas que seja limpo e digno de um espaço em que se educa.
3 - É importante avaliar o quanto a escola investe na formação de seus professores, que são a alma da escola. Se o espaço físico for suntuoso, mas o corpo docente despreparado e desmotivado, é preferível procurar outra escola.
4 - Mesmo que os pais você não sejam especialistas em educação, é recomendável saber a linha pedagógica da escola, o seu projeto de ensino-aprendizagem e formas de avaliação.
5 - Deve-se analisar o currículo da escola, cuidadosamente, para verificar se há preocupação com temas do cotidiano como ética, cidadania, respeito ao meio ambiente, diversidade cultural, entre outros. Os pais não devem ter vergonha de perguntar tudo ao orientador que os receberem na escola. E, durante a conversa, é possível reparar no preparo dele, ao dar as respostas.
6 - Os pais devem observar os funcionários, e se possível, o diretor da escola. Uma regra básica é que todo o educador deve ser educado. Uma escola que preza por esse valor investe na capacitação de todas as pessoas que nela trabalham.
7 - Um aspecto essencial a ser observado é se a escola prepara para a cooperação ou apenas para a competição. Cuidado. Pode ser que os pais queiram apenas que o filho ingresse depois em uma faculdade, sendo aprovado no exame vestibular. Isso é importante, mas a escola tem que preparar para a vida toda, e não apenas para um exame.
8 - Uma alternativa interessante é questionar alguns pais que freqüentam a escola para ver se o discurso dos educadores é condizente com a prática.
9 - Os pais devem avaliar se o preço é compatível com o seu salário. A mesma avaliação deve ser feita em relação à localização, para que não vire um transtorno, o caminho de ir e vir.
10 - Os pais devem decidir junto com o seu filho, não importa qual seja a idade dele. É importante que ele sinta que ajudou a escolher a escola em que estuda.

Essas são algumas dicas. Há outras. O mais importante é que o pai, a mãe, o avô ou a avó, levem a sério a educação da criança. Em casa, na escola, na vida.
Outra dica: por melhor que seja uma escola, ela nunca vai suprir a carência de uma família ausente. Portanto, a família deve participar de verdade do processo educativo de seus filhos. Esta nem é uma dica minha. É de Cora Coralina, quando, na sua grande sabedoria, disse isto: Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.

Jornal O Popular, Goiânia.

Sexualidade na adolescência:

Rev. José Kleber Fernandes Calixto

Introdução:

O tema do nosso assunto a ser abordado é sexualidade na adolescência. O nosso propósito não é exaurir este assunto em todas as suas dimensões, dado a complexidade e extensão do mesmo. O nosso propósito é trabalhar com vocês adolescentes algumas questões acerca do sexo à luz da ciência, e principalmente, à luz da Bíblia, para que vocês venham desenvolver, não só uma idéia sadia sobre este assunto, como a sua própria sexualidade de forma mais normal e cristã possível.

Quando falamos, hoje sobre sexo para adolescentes como vocês, nós partimos do princípio de que todo um universo de informações, questões e inquietações relacionadas ao sexo, já fazem parte, já ocupam as mentes de vocês e até (em alguns casos) já tem determinado a forma como alguns de vocês vivem ou se relacionam com o sexo.

Então vamos começar pensando sobre algumas questões introdutórias acerca de sexo. Vamos caminhar do geral para o especifico.

1. Definição:

E o primeiro passo a ser dado é o passo da definição. O que é sexo?

Esta pergunta parece óbvia, mas não é assim tão óbvia. Podemos caracterizar o sexo partido de vários aspectos.

1. Sexo pode se referir ao aparelho genital masculino ou feminino com suas peculiaridades próprias;

2. Sexo pode ser entendido como o conjunto de diferenças anatômicas entre homem e mulher ou de qualquer ser vivo sexuado;

3. Sexo pode ser visto do ponto de vista do coito, do ato sexual.

2. A importância do sexo na vida humana:

O segundo fato importante a ser estudado dentro destas questões preliminares sobre sexo é a importância do sexo na vida humana.

Há um tempo atrás sexo sempre foi tratado como um assunto proibido. Sexo era visto como uma coisa suja, pecaminosa; algo inerentemente ligado ao pecado, ao diabo – e visto por Deus como um mal necessário.

Isto porque sexo foi erroneamente ligado pela religião católica ao pecado de Adão. Segundo a igreja católica, o sexo era o fruto proibido que Adão e Eva comeram e com isso, ambos caíram em desgraça e foram expulsos da presença de Deus.

Esta é uma visão torta, míope e uma leitura anacrônica da Bíblia. Porque se vocês verem, a ordem para Adão e Eva terem relações sexuais e povoarem a terra é dada já no capitulo 1 de Gênesis - para povoar a terra, só pelo ato sexual. Ainda não tinham inventado a inseminação artificial. E o casamento de Adão e Eva se concretiza no capitulo 2. Else se unem, se tornam uma só carne. E tudo isso, debaixo da bênção de Deus, na presença Santa de Deus. Sem pecado, sem culpa.
E só então, no capitulo 3 dá-se a queda da raça humana. Adão e Eva rebelam-se contra o plano perfeito de Deus e obedecem a satanás, comem do fruto proibido e AI, o resto vocês já sabem.

Não obstante a isso, essa visão grosseira acerca do sexo perpetuou-se através dos séculos através da religião.

No meio protestante essa visão se fez sentir pela teologia puritana castradora e repressora que baniu o assunto sexo das igrejas e do lar, deixando ao inteiro cuidado de Dona ignorância.

Mas o fato é que, sexo ocupa um plano superior na vida humana. Tanto no que tange a visão bíblica, quanto aos conceitos da biologia.

Biblicamente o sexo tem um papel fundamental dentro do projeto eterno de Deus para a felicidade humana. E Deus quis assim.

Deus cria o sexo, e Ele mesmo disse que sexo era muito bom (Gn 1.27,31); de todas as bênçãos com que Deus abençoou a raça humana, o sexo (o ato sexual) foi, de todas, a primeira bênção. (Gn 1.28); e finalmente, a comissão, a primeira missão, recebida pelo homem da parte de Deus, foi a respeito do sexo e pelo sexo: "crescei-vos e multiplicai-vos".

Portanto, longe de figurar como "um fruto proibido", o sexo tem em Deus a sua honra e dignidade.

Quanto aos elementos balizadores da biologia, o sexo é o elemento mais vital e necessário da vida humana. Pode-se dizer que a vida biológica acontece sob o signo do sexo. O sexo governa todos os ciclos de nossa vida biológica. E em cada um desses ciclos ele desempenha uma função diferente.

Vejam: desde o período do nascimento até à fase da puberdade, o sexo age de modo latente como um balizador das estruturas da personalidade a ser desenvolvida na fase adulta. É o que Freud chama de desenvolvimento psicossexual. Ele nos dá três fases neste período que marca o inicio da vida sexual: fase oral, fase anal, fase fálica.

Depois, segue-se à fase da puberdade. Em que os seus corpos estão sendo preparados para a reprodução. É a chamada pré-adolescência. Período em que começam a aparecer os pêlos pubianos – na região da genitália. E nas axilas..., as meninas começam a crescer os seios.

Depois chega a famosa fase da adolescência. O que é a adolescência?

É a fase em que os corpos das meninas e dos meninos estão amadurecidos, para a reprodução. É a fase em que o sexo mais interage na vida de vocês. Ele se faz perceber em tudo. Nas espinhas da cara, na voz vai engrossando, nas mudanças de impulsos, e de sensações que vão tomando de conta dos sentimentos de vocês. Tudo isso é uma incursão pesada que o sexo faz na vida humana lançando "toneladas" de hormônios no corpo de vocês fazendo com que vocês passem pelas transformações necessárias para o relacionamento sexual na fase adulta. É um conjunto de transformações – psicológicas, físicas, sociais, e espirituais.

Mas o sintoma, a sintomatologia mais percebível nesta fase – dizendo que vocês biologicamente já estão pronto para a procriação, é o que nós chamamos de menstruação (no caso das meninas), e polução noturna (nos meninos).

As meninas vão menstruar, e os meninos vão poluir. A polução noturna e a menstruação são os avisos que tanto a menina como o menino, ambos não são mais crianças. Os dois viraram adolescentes.

Posterior a essas mudanças segue-se à fase adulta. Quando o homem e a mulher estão preparados não só biologicamente para o relacionamento sexual, como também psicologicamente, emocionalmente, e espiritualmente preparados para a vida sexual conforme os padrões de Deus.

E mesmo na velhice o sexo continua tendo um papel preponderante no equilíbrio da vida humana. Agora, não mais com aquele desejo compulsivo pela relação sexual, mas agora em repouso, produzindo os hormônios ainda necessários para o equilíbrio mental e psicológico.

Diante disto, podemos, por assim dizer, que a nossa felicidade ou a nossa infelicidade depende de como nós vamos lidar com a questão da nossa sexualidade em cada fase de nossa vida. Qual a resposta que nós vamos dar a nossa sexualidade em cada fase de nossa vida.

E a fase da adolescência, mais que todas as outras fases, se reveste de maior importância. Porque é na adolescência que surge as grandes questões sobre sexo. As grandes dúvidas, os mitos, os grandes acertos e os grandes erros também. Às vezes, mais erros que acertos.

E dependendo de como você responder a estas questões que surge na adolescência, sua vida adulta será feliz, ou tremendamente infeliz.

E uma das primeiras questões que surge nessa fase é: como lidar com a minha sexualidade na adolescência. E aí, vem o ponto seguinte de nossa palestra.

3. Como lidar com a minha sexualidade adolescente?

O que eu posso fazer? O que eu não posso? O que é certo? O que é errado? – essas são perguntas sérias e sinceras feitas e que necessitam serem respondidas. Muito mais quando elas são feitas por um adolescente crente, que quer ser fiel ao Senhor Jesus Cristo.

Eu falei anteriormente que é na adolescência que o sexo se torna mais pulsante, mais interativo com os demais órgãos do nosso corpo. É quando mais ele se faz sentir através dos hormônios. Os hormônios por sua vez, trabalham a pleno vapor e em ritmo acelerado, no objetivo de preparar o nosso corpo para o momento tão esperado pela natureza – que é o acasalamento.

Toda essa hiper-atividade dos hormônios, cria em nós algumas sensações que agem como imã – próprias para nos conduzir a pessoa do sexo oposto com a qual iremos nos relacionar sexualmente.

E dentre esses sensações, que puxa vocês, em direção da menina, se chama atração sexual.

3.1. Atração Sexual.

O que é atração sexual? Atração sexual é empuxo pelo sexo oposto. Você se sente magnetizado, atraído a olhar, a se aproximar, a ter contato físico com a outra pessoa do sexo oposto. Isso é normal.

E, isto não é pecado. Você não deve ficar se punindo por causa desse instinto normal que você tem pelas meninas e que foi Deus que colocou em você. Sentir-se pecador por causa disso, seria a mesma coisa que uma pessoa com fome se sentir culpado por desejar um pernil que está diante dele. Diante dessa sensação o adolescente deve reagir com naturalidade, sabendo que isto faz parte das faculdades com as quais, Deus presenteou o homem.

3.2. Excitação Sexual.

Agora, outra sensação que acomete os adolescentes, e que é constantemente confundido com atração sexual, mas que não tem nada haver com isso é o impulso que chamamos de Excitação Sexual.

Atração sexual é o desejo que sentimos do sexo oposto. Excitação sexual é o desejo que temos de satisfazer o nosso instinto sexual. Atração sexual é impulso em direção da pessoa do sexo oposto. Excitação sexual é uma compulsão pelo sexo da outra pessoa.

Na atração sexual, não visamos à satisfação do instinto sexual que deseja a atividade sexual. Na excitação, o que prevalece é a busca pela atividade sexual.

A atração sexual deseja o relacionamento afetivo com a pessoa do sexo oposto; já a excitação sexual deseja o prazer, o orgasmo sexual.

A atração sexual geralmente desdobra-se em namoro; já a excitação sexual sempre termina ou em masturbação ou em relação sexual.

Diante disso, surge uma pergunta? Então o que fazer diante dessas sensações? O que fazer para lidar com essas forcas libidinosas que nos chamam para a satisfação sexual mesmo antes do tempo biológico, psicológico, e bíblico para a relação sexual? Como um adolescente pode de modo natural, sadio e santo lidar com esse desejo aparentemente irreprimível por sexo?

4. Formas de responder aos impulsos sexuais da adolescência:

Quanto à atração sexual, falamos que o adolescente deve agir com naturalidade e espontaneidade – deixar as coisas seguirem o seu curso natural. O que não deve ocorrer em relação à excitação sexual.

A excitação sexual deve ser tratada com seriedade e com passos firmes pelo adolescente. É terreno escorregadio. E geralmente acaba em acidentes. Às vezes, com duras conseqüências.

Por que?

Porque embora essas duas forcas instintivas (atração e excitação) vão acompanhar o homem por quase toda a sua vida, ambas agem diferentemente a pessoa.

A atração sexual age motivada pela estrutura da personalidade já bem definida e bem elaborada quanto à sua heterossexualidade - menino gosta de menina e menina gosta de menino.

A excitação sexual, por sua vez, age motivada pela a ação dos hormônios. Que agem no cérebro produzindo excitação, ereção, intumescimento, fantasias sexuais..., e assim por diante.

O problema é que, diferente da atração sexual, que age uniforme e na mesma intensidade durante todos os estágios da vida, a excitação sexual, que depende da ação dos hormônios, tende a sofrer variações durante as varias etapas da vida.

E é na fase da adolescência em que estas variações se acentuam. Ela sobe acima do normal. Ela "dá um pico". É por isso que no auge da adolescência os meninos só pensam em sexo, sexo, sexo. O que não é normal – se tomarmos a vida adulta com referencia.

Agora, em função de que ocorre esse desequilíbrio? Biologicamente falando, é por causa do desequilíbrio normal dos hormônios nesta fase. Super-produção de hormônios nesta fase.

Por isso, nós devemos tomar muito cuidado com a forma como vamos lidar com essa hiper-excitação da adolescência, que deve ser vista como um desequilíbrio normal desta fase. Porque qualquer coisa pode levar o adolescente, não só a realizar um ato impensado para o qual ele não está preparado, (como o ato sexual) com graves conseqüências posteriores, como também deixar graves seqüelas psicológicas e mentais. Esse desequilíbrio normal da fase da adolescência pode se tornar um desequilíbrio permanente no campo psicológico e até mental.

Então vamos ver como responder a esses impulsos sexuais aos quais chamamos de Excitação sexual? Como lidar com isso de modo certo?

4.1- Formas de lidar com a excitação sexual na Adolescência:

Há duas formas de lidar com esses impulsos sexuais da adolescência: a forma certa e forma errada. Infelizmente, a maioria dos adolescentes sempre opta pela forma mais errada. E às vezes, não por sua culpa, mais por falta de instrução.

Dentre as formas erradas, as quais se entrelaçam formando um círculo vicioso.

A primeira forma errada como o adolescente tenta lidar com os seus impulsos sexuais é dizendo um sim irrestrito para eles - para todos os seus desejos. E o adolescente faz isso de diversas maneiras e numa escala crescente e sem volta. Ele começa a descer esta espiral dos desejos dos impulsos até cair no abismo da depravação sexual – que é uma deformidade moral, psicológica e mental terrível.

4.2. Pornografia:

Quando o adolescente abre concessões para a excitação sexual e diz sim para os seus impulsos, a primeira coisa para qual ele também diz sim é a pornografia. Pornografia é a prostituição sexual veiculada por fotos ou figuras, imagens (que pode ser por televisão ou cinema), e ou escrita – que são aquelas revistas que trazem histórias ou fantasias sexuais.

A pornografia é uma forma errada de nós respondermos aos impulsos sexuais da adolescência. Ela não acalma esses impulsos, pelo contrario, ela os faz cada vez mais fortes. Ela não dá equilíbrio, ela desequilibra mais ainda. Ela não minimiza o nosso desejo de sexo, ela apenas intensifica esse desejo.

A Palavra de Deus condena essa forma de lidar com a excitação sexual da adolescência. Em Mateus 5:28, Jesus diz: "qualquer um que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração já adulterou com ela".

Olhar para uma mulher com fantasias eróticas já é adultério. Existem outros textos contra a pornografia, mais que o tempo não nos permite, agora, verificarmos. Mas aí, está a lista: 1a Co 6:18; 2a Co 7:1. Mas eu gostaria que nós lêssemos 1a Tessalonicenses 4:4-6.

A pornografia é uma depravação sexual – um desvirtuamento do sexo. Ela transforma o sexo um produto de comércio. E ela destrói os valores morais e espirituais da pessoa, bem como abala as estruturas psicológicas e cria uma disfunção mental, escravizando a pessoa às fantasias eróticas.

Aí, vem o próximo passo, a segunda forma errada de se responder à excitação sexual da adolescência.

O primeiro passo errado foi o sim da aceitação dos desejos e dos impulsos da excitação sexual. O próximo passo e o passo da viabilização desses desejos. O adolescente viabiliza os meios para satisfazer os desejos sexuais, ele alimenta, ele mune, ele nutre a sua excitação sexual com imagens e fantasias eróticas.

O próximo passo errado é a execução dos desejos sexuais. É a famosa masturbação. E é o que nos vamos falar daqui pra frente com mais detença.

4.3. Masturbação:

O que é masturbação? Masturbação é uma palavra que vem do latim manus que quer dizer mão, e turbare que quer dizer agitar, excitar. Então masturbação quer excitar-se com a mão, ou fazendo uso da mão.

A Bíblia não fala diretamente sobre masturbação. Por erro de interpretação da igreja católica, convencionou-se erradamente a masturbação com o texto de Gn 38:9, onde Onã, filho de Judá, interrompia a relação sexual, ejaculando fora da vagina da viúva de seu irmão, quebrando assim a lei do levirato.

A partir desse erro de interpretação, passou-se também a nomear essa pratica de onanismo.

4.3.1. Tipos de Masturbação:

Existem duas formas de se classificar a masturbação. Classifica-se a masturbação pelos instrumentos com os quais a pessoa pratica a masturbação, ou pelos fatores causais.

De acordo com os instrumentos usados na sua execução, a masturbação, pode ser classificada da seguinte maneira:

a) Muda: que é o excitamento por pensamentos, leituras ou contemplação;

b) Manual: que é o excitamento com as mãos nos órgãos sexuais;

c) Instrumental: que é a excitação obtida através de instrumentos.

De acordo com os fatores causais, a masturbação pode ser classificada como incidental e estrutural.

4.3.1.1. Tipo incidental:

No histórico de qualquer pessoa poderá surgir um episódio masturbatório, que é circunstancial e por isso é passageiro. Essa é a masturbação incidental. E existem dois tipos de masturbação incidental. Aquelas que chamamos de primaria e a secundaria.

4.3.1.1.1. Masturbação Incidental Primaria:

São aquelas que acontece quase como um acidente. Por uma inabilidade ou imperícia dos pais ou da babá, ou enfermeira, quando na higiene das genitálias da criança. Estes se demoram em demasia no asseio das partes genitais e involuntariamente acabam excitando o clitóris nas meninas e a glande (cabeça do pênis) nos meninos – levando-os ao orgasmo e conduzindo-os a descoberta da masturbação e a fixação na mesma [1].

No caso das meninas, ainda acontece por causa de um verme que prolifera no reto da menina, mas que se não cuidado, pode migrar do ânus para a vagina produzindo corrimento vaginal e constante e intensa coceira, que por sua vez pode levar a descoberta da masturbação.

4.3.1.1.2. Masturbação Incidental Secundaria:

Existe também a masturbação por incidente secundário. Esta ocorre na adolescência nos contatos naturais com outros adolescentes do mesmo sexo ou por curiosidade.

Os adolescentes de maior idade que já praticam a masturbação, ensinam aos de idade menor e ocorre daí, a pratica masturbatória regular.

Muito dessas iniciações acontecem por meio de empregadas domesticas que induzem a criança à masturbação. [2]

4.3.1.2. Tipo Estrutural:

Nos casos Estruturais, a masturbação não é um simples incidente sexual, mas é um componente afetivo dentro da estrutura da personalidade em desenvolvimento.

Neste caso o adolescente se masturba não por um incidente sexual ocorrido na sua primeira infância, não por uma exposição pesada a um tipo de pornografia, mas por um problema estrutural em sua personalidade causado por um tipo de relacionamento traumático dos pais com ele ou dos pais entre si.

Os elementos psicológicos que estão vinculados com esse tipo de pratica masturbatória são os seguintes:

1. Angustia (clima de insegurança e intranqüilidade no lar);

2. Frustração (dominação egoísta dos pais sobre as aptidões naturais dos filhos);

3. Defeito moral dos pais (alcoolismo, droga, vícios, mentira, desonestidade nos negócios, etc.);

4. Isolamento (pais que negligenciam a vida afetiva dos filhos, não tendo tempo, par aos filhos);

5. Medo (clima de ameaça constante de espancamento físico);

6. Solidão (filhos únicos ou separados da família, ou dos pais).

4.3.2. Efeitos da Masturbação:

A masturbação por não ser uma pratica normal (a pesar que muitos psicólogos digam o contrario), ela deixa seqüelas por vezes irreversíveis.

O problema de se perceber as conseqüências da masturbação é porque elas não se fazem sentir imediatamente. Elas ocorrem a distancia do período em que o adolescente se encontra dentro dessa prática. Portanto, isso dificulta às vezes, estabelecer uma conexão causal com a masturbação.

Contudo, tem se podido perceber que aqueles indivíduos que apresentam certas dificuldades ou fracassos em algumas áreas, sempre estão relacionados com a pratica inveterada na masturbação.

Os danos da masturbação podem ser classificados sob 5 aspectos da existência:

a) Anatômico-fisiológico;

b) Psicológico;

c) Social;

d) Afetivo-sexual;

e) Moral-espiritual

4.3.2.1. Anatômico-fisiológico:

Uma das primeiras conseqüências que a masturbação deixa em quem a pratica, é um dano na anatomia e na fisiologia dos órgãos sexuais.

No caso dos órgãos sexuais femininos (quando a masturbação é realizada pela manipulação do clitóris – com o dedo ou com um objeto) a masturbação produz um espessamento da pele do Clitóris – ocasionando uma diminuição na sensibilidade, o que posteriormente, fatalmente provocará uma dificuldade da mulher chegar ao orgasmo, ou até uma frigidez.

Paralelamente a isso, aparece um aumento (engrossamento) dos pequenos lábios, o que provoca um aspecto de intumescimento da vulva.

Quando a masturbação se dá pela estimulação vaginal, além de provocar a ruptura do hímen, por autodefloramento, geralmente aparece um corrimento vaginal por causa dos micróbios que são conduzidos pelos dedos ou objetos introduzidos na vagina.

No caso dos homens, há também danos tanto na fisiologia, quanto na anatomia do seu pênis. A masturbação produz um espessamento do tecido da glande e da pele do prepúcio, diminuindo-lhe a sensibilidade. Isto causa uma dificuldade em homem alcançar o orgasmo. O que pode levar o homem a uma impotência e a falta de estimulo para relação sexual.

Outra disfunção que ocorre com a masturbação é o condicionamento do cérebro ao formato e à pressão que a mão exerce sobre o pênis que é muito maior que qualquer vagina. O que leva o homem à impotência no meio do ato sexual.

E, finalmente, dentro desse aspecto da anatomia, nos casos de viciados em masturbação quando o pênis alcança a ereção ele fica numa posição distorcida – o pênis toma o formado do movimento da mão.

4.3.2.2. Danos Psicológicos:

Existem também os danos psicológicos. Esses danos são os relativos às funções do aparelho mental e a desestrutura da personalidade.

As funções psíquicas que são mais prejudicadas nas pessoas viciadas pela masturbação são:

a) A atenção (que fica diminuída);

b) A imaginação (que fica exacerbada e alienante);

c) A memória (que fica lenta);

d) O pensamento (com tendência de ter idéia fixa);

e) O raciocínio (com tendência de usar sofismas);

f) O senso de julgamento (que relaxa moralmente);

g) A percepção (que passa a ser subjetiva);

h) A mente (que fica dependendo de fantasias para se excitar – pessoa passa a ser excitada não pelo que ela vê, mas pelo artifício da imaginação).

Em relação à personalidade o vício da masturbação provoca os seguintes danos:

1) Emperramento da maturidade sentimental e afetiva;

2) Aumento da vaidade e da atitude individualista;

3) Conflitos entre a realidade e a fantasia (a pessoa passa a viver em dois mundos paralelos – se torna esquizofrênico);

4) Diminuição da percepção das necessidades afetivas do parceiro sexual;

5) Incompetência sexual e ejaculação precoce no caso do homem e frigidez sexual na mulher;

6) Comportamento exibicionista e espetaculoso ou isolamento social por complexo de inferioridade e por sentimento de culpa;

7) Dificuldade para amar alguém de modo desinteressado e altruístico.

4.3.2.3. Danos sociais:

A pessoa que se masturba, numa fase mais aguda (o que ocorre invariavelmente); torna-se uma pessoa isolada do grupo. Ela tem dificuldade de relacionar-se.

Isto ocorre por duas razões:

Primeiro, porque ela se tornou uma pessoa que vive em dois mundos um da fantasia, o outro o da realidade. Como sempre a fantasia é melhor do que a realidade, a tendência da pessoa é se fechar neste mundo onde ela pode ser o que realmente é sem precisar representar a todo instante.

E segundo, porque sua mente está condicionada, e viciada pela masturbação a não incluir o outro nos seus momentos de prazer. O seu esquema de vida repete o seu esquema sexual. Ela não consegue mais elaborar o outro. É só ela. Neste ponto a masturbação ganhou status na existência.

Outra dificuldade da pessoa viciada em masturbação refere-se ao seu estilo de conversação. Mesmo quando ela conversa, continua no mesmo procedimento de excluir o outro. Essa dificuldade se revela de duas maneiras:

A. Absorção com domínio exclusivista das atenções dos presentes sobre si mesma. Em outras palavras, só ela quer falar.

B. Silencio – ausência de participação das conversações. Com o mesmo propósito ser o centro das atenções, agora pelo método da autocomiseração, retendo assim a misericórdia dos circunstantes.

Ambas atitudes, no campo psicológico, demonstram uma tentativa de continuidade da masturbação física – um monólogo masturbatório. O instrumento migra das mãos para a língua.

4.3.2.4. Dano afetivo-sexual:

Aqui nesta área, se manifestam as dificuldades que produzem maior angustia e maior índice de desajustamento nas pessoas que são viciadas em masturbação. A razão principal de tais distúrbios está no próprio "estilo de vida" pratico da sexualidade do masturbador viciado.

Durante a pratica constante da masturbação como um vício, a mente da referida pessoa se condiciona com a "existência imaginaria" de pessoas irreais, as quais são manipuladas ARBITRARIAMENTE dentro do "esquema fantasioso" exigido pela masturbação em si.

Quando o individuo passa para um relacionamento concreto, no qual estão pessoas reais, com seus comportamentos próprios, ocorre um "choque" entre FANTASIA e REALIDADE. Na mente do viciado em masturbação.

Na vida real, não se consegue o mesmo tipo de manipulação de pessoas, do mesmo modo que se consegue com os personagens imaginários criados pela mente do viciado em masturbação.

Nessa área do contato real vem a incompetência "operacional" do masturbador que se frustra, por não saber "conviver" com pessoas reais, uma vez que levou uma vida de "monólogo masturbatório".

O conflito se instala exatamente na área do relacionamento INTERPESSOAL e os esforços do masturbador são dirigidos para que o "outro" se enquadre dentro do seu "esquema de ficção", utilizado na prática masturbatória habitual.

Isso nunca dá certo, porque o outro se cansa de fingir; e ninguém agüenta por muito tempo ser diferente do que se é na sua identidade real de pessoa humana.

Mormente, os desajustes sexuais se manifestam na vida conjugal, logo no inicio porque a masturbação é a atividade preferencial. O casal se frustra e fica frustrado.

No caso da mulher, ela se vê condicionada a manipular o clitóris para alcançar o orgasmo. No caso de ser o homem, o vício da masturbação provoca uma necessidade de uma "ajuda" da sua mão no pênis para a ereção, e uma boa dosagem de fantasia e imagens pornográficas armazenadas em sua mente para que a excitação apareça.

Tudo isso gera muita amargura, sentimento de culpa, desconfiança, etc.

4.3.2.5. Moral-espiritual:

Além de a masturbação ser um mal psicológico e fisiológico, ela também danifica terrivelmente os referenciais morais e espirituais do masturbador.

Ela o põe diretamente em contradições com a pessoa de Deus e com seus valores. Então o viciado passa então a viver em dois mundos paralelos. O da fé e o da masturbação. E a pessoa acaba se tornando um esquizofrênico religioso.

4.2. Forma Correta de lidar com a sexualidade:

Eu disse que a primeira forma errada como o adolescente tenta lidar com os seus impulsos sexuais era dizendo um sim irrestrito para os seus desejos e para suas demandas – quer seja através da pornografia, quer seja através da masturbação. Então, qual seria a forma certa de tentar lidar com os impulsos sexuais da adolescência?

Eu creio que nem os aceitando irrestrimente, nem os negando categoricamente, mas sublimando-os. Direcione-os para o lugar certo, para o tempo certo, para o propósito certo que é a relação plena e perfeita entre duas pessoas que se dispõe compartilhar toda a vida.

Pense nas conseqüências, dessas fugas fáceis, e verifique o quanto vale a pena, vivermos uma sexualidade plena através de Jesus dirigindo e nos dando a pessoa certa para vivermos plenamente a vida sexual.

Que Deus os abençoe.

Reflexão para estanoite:

Bom final de semana!

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Dia do cão:


Todo mundo sabe que cachorro é o melhor amigo do homem e por isso criaram o dia do cão que celebrado no dia 4 de outubro. Nesse dia todos os cães ganham presentes de seus donos.

Dia 4 de Outubro, comemora-se o Dia Mundial do Animal. Este dia foi escolhido por coincidir com a data em que se assinala a morte (em 1226) de São Francisco de Assis, padroeiro dos animais. (Fonte: Bicharada)

Dia da natureza:


O que será do futuro se continuarmos destruindo a natureza?

No dia 4 de outubro comemora-se o dia da natureza. Chamamos de ambiente ou natureza o mundo no qual o homem vive e que existe independente das atividades do mesmo.

É tudo aquilo que não foi criado pelo homem, mas que constitui o universo, como rios, mares, plantas, florestas, animais, minerais e o próprio homem.

Com a evolução, construção das cidades, das facilidades da vida moderna, o homem passou a modificar a ordem natural da vida no planeta, prejudicando o equilíbrio do meio ambiente.

Agindo de forma predatória, tem destruído a natureza sem se preocupar com os prejuízos que sofrerá num futuro bem próximo.

São desmatamentos, queimadas, destruição da camada de ozônio, o efeito estufa, dentre vários outros problemas que tem causado a extinção de importantes espécies vegetais, além dos animais, prejudicando as cadeias em que os mesmos se utilizam para viver. Arara-azul, mico-leão-dourado, lobo-guará, tamanduá-bandeira e vários outros, são animais da fauna brasileira que são dificilmente encontrados.

É importante que o homem crie consciência ecológica, de que a degradação ambiental só trará malefícios para as gerações futuras.

No Brasil, a Secretaria Especial do Meio Ambiente tem desenvolvido projetos tentando conscientizar a população dos prejuízos causados pela degradação ambiental.

Mas em razão da vida moderna, o lixo nas grandes capitais do país tem aumentado em quantidades significativas e os aterros sanitários e lixões não mais os comportam.

A camada de ar que protege a Terra dos raios ultravioleta, a camada de ozônio, tem sido destruída pelo aumento dos meios de transporte que circulam no mundo, pela poluição advinda das indústrias, por queimadas, pelo uso excessivo de produtos sprays e produtos químicos. Isso ocasiona o aumento da temperatura da Terra, além de causar as chuvas ácidas, tufões, tsunamis, terremotos, etc., que provocam grandes problemas à humanidade.

O uso de materiais descartáveis, como os plásticos e outros, tem causado a morte de várias espécies animais por sufocamento. Tartarugas e gaivotas já foram encontradas mortas, pois tinham em seu estômago pedaços de sacolas plásticas, que engoliram ao confundir com alimentos.

Criar hábitos que favoreçam a natureza só trará benefícios. Não adianta ficarmos parados esperando grandes projetos dos governantes. Pelo contrário do que se pensa, é através de pequenas atitudes que podemos melhorar as condições do planeta, que nunca mais será o mesmo.

Evitar o uso de produtos descartáveis do tipo plástico, metais e vidros, usar sacolas ecológicas feitas de tecido ou carrinhos próprios para feira, não jogar lixos em lugares inapropriados, não jogar papéis de bala ou chicletes nas ruas, latas de cerveja e refrigerante nas estradas, etc., trará ao planeta uma condição melhor de sobrevivência tanto para os homens como para os animais.

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola

http://www.brasilescola.com/datacomemorativas/dia-natureza.htm

sábado, 2 de outubro de 2010

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Parabénsssss Jennifer!

Datas comemorativas:

01 · Dia Internacional da Terceira Idade
1º · Dia de Santa Terezinha
1º · Dia do Vendedor
1º · Dia Nacional do Vereador
03 · Dia Mundial do Dentista
03 · Dia do Petróleo Brasileiro
03 · Dia das Abelhas
04 · Dia da Natureza
04 · Dia do Barman
04 · Dia do Cão
04 · Dia do Poeta
04 · Dia de São Francisco de Assis
05 · Dia das Aves
05 · Dia Mundial dos Animais
07 · Dia do Compositor
08 · Dia do Nordestino
09. Dia do Açougueiro e profissionais do setor
10 · Semana da Ciência e Tecnologia
10 · Dia Mundial do Lions Clube
11 · Dia do Deficiente Físico
11 · Dia do Teatro Municipal
12 · Dia de Nossa Senhora Aparecida
12 · Dia da Criança
12 · Dia do Atletismo
12 · Dia do Engenheiro Agrônomo
12 · Dia do Mar
12 · Dia do Descobrimento da América
12. Dia do Corretor de Seguros
13 . Dia do Terapeuta Ocupacional
13 · Dia do Fisioterapeuta
14 · Dia Nacional da Pecuária

15 · Dia do Normalista
15 · Dia do Professor
16 · Dia Mundial da Alimentação
16 · Dia da Ciência e Tecnologia
16. Dia do Anestesiologista
17 · Dia da Indústria Aeronáutica Brasileira
17 · Dia do Eletricista
18 · Dia do Médico
18 · Dia do Estivador
18 · Dia do Securitário
18 · Dia do Pintor
19 . Dia do Profissional da Informática
20 . Dia Internacional do Controlador de Tráfego Aéreo
20 . Dia do Arquivista
21 · Dia do Contato
23 · Dia da Aviação e do Aviador
24 · Dia das Nações Unidas – ONU
25 · Dia da Democracia
25 · Dia do Dentista Brasileiro
25 · Dia do Sapateiro
28 · Dia de São Judas Tadeu
28 · Dia do Funcionário Público
29 · Dia Nacional do Livro
30 · Dia do Balconista
30 · Dia do Comerciário
30 . Dia do Fisiculturista
31 · Dia Mundial do Comissário de Vôo

31 · Dia das Bruxas - Halloween

31 . Dia da Reforma Luterana